Boas Vindas!

Querido(a) amigo(a),

Seja bem-vindo(a)! Aqui você poderá acompanhar a carreira do cantor Eli de Jesus e estará antenado(a) com a agenda do cantor, lançamentos de cds, DVD e sobre o que Deus está fazendo em seu ministério.
Desejamos que as mensagens, testemunhos, músicas e vídeos que serão divulgados possam falar ao seu coração e ir de encontro ao que você precisa ouvir do Senhor.

Deus o(a) abençoe!

Saiba Mais


Nascido na cidade do Natal/RN, Eli de Jesus possui um timbre vocal inconfundível, repertório marcante, interpretação intensa, 6 gravações fonográficas e milhares de CDs vendidos. Casado com Ivana Farias, pai de Beatriz (2 aninhos) último filho de uma numerosa família e muito querido no meio musical gospel. Conheça um pouco mais do seu ministério e vida pessoal.

ENTREVISTA

01 – Você sempre fala que seu pai foi seu maior incentivador no início de sua carreira musical. Como ele fazia isso?
Nós tínhamos em casa uma “vitrola” e eu amava ouvir e cantar hinos todo dia. Essa “vitrola” trabalhava muito, diariamente, pois quando não era eu que a colocava para funcionar, era meu irmão Eliezer de Jesus quem fazia isso. E quando os hinos estavam tocando eu sempre ficava por perto cantando junto com os discos. Meu pai vendo isso, logo percebeu que eu já cantava entoado, tinha ritmo e segurança nas notas. Um dia ele me perguntou se eu tinha coragem de cantar na igreja. Falei que sim e ele me levou.

02 – Como foi essa experiência?
Como eu tinha uns 4 anos de idade, dessa época eu lembro muito pouco e desse dia em especial eu não lembro muito bem, mas me contaram que fui colocado em uma cadeira no púlpito da igreja Ass. de Deus no bairro das Quintas (Mário Lira - Natal/RN) e soltei os agudos. Nunca mais parei.

03 – Você sente alguma dificuldade em cantar frente a multidões?
Sempre fico nervoso quando vou cantar. Acho que é por causa do peso da responsabilidade sobre meus ombros de estar num púlpito ministrando. E há algum tempo eu sentia muita insegurança quando ia cantar em algum lugar pela primeira vez. A minha mente limitada sempre me atrapalhava um pouco com pensamentos do tipo: “será que vão gostar de mim?” ou “e se as notas não saírem perfeitas?” Eu acho que nessa época eu não tinha a noção real de que era a Deus que eu deveria realmente agradar. Um dia estive cantando na cidade de Uberlândia/MG e um irmão veio até mim - creio que direcionado por Deus - e me falou algo que fez toda diferença na minha vida a partir daquele dia: “a unção de Deus é internacional. Se você a tem, aonde você for, as pessoas vão senti-la”. Percebi então que não tinha que me preocupar se as pessoas iam ou não gostar de mim. A minha preocupação teria que ser em agradar ao Senhor. Eu fazendo isso, Ele com certeza me usará na vida das pessoas que estarão me ouvindo.

04 – Hoje você já tem 6 CDs gravados e um DVD. O início foi difícil como para tantos outros cantores?
No início eu não tinha a menor pretensão em gravar disco. Contentava-me só em cantar nas igrejas, hinos dos cantores que eu admirava. Comigo aconteceu algo diferente. As dificuldades vieram depois que eu gravei (risos).

05 – E como foi que sua carreira fonográfica começou?
Ela começou de uma forma um tanto quanto inusitada. Havia um rapaz na minha igreja que fez um voto ao Senhor dizendo que se recebesse uma benção financeira que estava esperando há algum tempo, gravaria meu primeiro trabalho fonográfico. Um dia estava no culto e ele me procurou me contando isso e dizendo que já tinha recebido a benção financeira e agora tinha que pagar o voto que havia feito. Como eu não tinha a menor vontade de gravar, falei pra ele que iria pensar. Decidi que não queria gravar disco algum e então, a partir dessa decisão comecei a evitá-lo toda vez que o via, mas ele não desistia. Sempre que podia, me lembrava que eu o estava impedindo de pagar seu voto ao Senhor. Cheguei a ficar contrariado com essa situação. Eu falava: “como pode alguém fazer um voto para outra pessoa pagá-lo?” Mas, certo dia, estava na minha casa pensando nisto e lembrei que Deus havia me dito tempos atrás que usaria alguém para que eu gravasse. Por esse motivo, não querendo contrariar o propósito de Deus sobre este assunto, me rendi e gravei o LP “Hoje no altar” no ano de 1995.

06 – Sei que Deus tem feito grandes coisas através do seu louvor. Conte-nos algo.
Algumas pessoas contam que Deus operou em suas vidas através de alguns hinos e isso me deixa muito feliz, pois o louvor é uma arma poderosa que Deus se utiliza para abençoar o Seu povo e até a quem não O conhece. Entre tantos testemunhos, lembro de um que ocorreu quando estive cantando numa cruzada evangelística em certa cidade. Ao final daquele culto, uma senhora veio falar comigo e disse mais ou menos assim: “Lembra que quando você cantou o hino “Sobre as ondas”, pediu que nós levantássemos o braço e glorificássemos a Deus? Pois nessa hora eu levantei o meu braço o mais alto que pude e glorifiquei a Ele. O detalhe, irmão, é que o braço que eu levantei não mexia. Ele era imóvel, duro, paralisado. Fiquei curada a partir daquele momento.” Alguns meses depois, cantando em outra cidade, contei o testemunho dessa irmã antes de cantar o mesmo hino e Deus curou um senhor que estava lá com o braço imobilizado, instantaneamente. Ele veio à frente, deixou o suporte do braço no púlpito, falou que tinha acabado de ser curado e foi sentar. O Senhor foi mais uma vez louvado naquela noite. Glória a Deus!

07 – Você trabalha na produção de outros cantores também. Fale sobre isto.
A primeira vez que gravei num estúdio profissional foi fazendo back vocal para a cantora Dalvanira de Natal/RN. Trabalho com isso desde 1989, além de fazer back vocal em apresentações ao vivo de alguns cantores como Victorino Silva, Gerusa Barros, Armando Filho entre outros. Hoje em dia trabalho menos nessa área por não estar mais tão disponível, mas é algo muito prazeroso.

08 – Que cuidados você tem com sua voz?
Evito alimentos ou líquidos muito gelados, não forço a voz falando alto, faço repouso vocal de 24 horas antes de apresentações que sei que vão exigir muito da minha voz e nunca canto sem antes fazer aquecimento vocal, mesmo que vá cantar apenas um hino. Isso evita calosidades, fendas e rouquidão. E, depois de cantar, espero algumas horas antes de ingerir líquidos gelados, evitando o choque térmico, já que não costumo desaquecer.

09 – Como você vê a música evangélica atual?
O quadro está preocupante. Não sou saudosista, mas é inevitável não sentir saudade de hinos que nos faziam sentir fácil a presença de Deus. Não quero dizer com isto que não a sinto com os hinos de hoje. Temos muitas canções atuais lindas e tocantes, mas em contrapartida, hoje é bem mais fácil nos depararmos com “hinos” que fogem dos preceitos bíblicos. Muitos hinos desta leva atual supervalorizam temas como “triunfalismo”, "auto-ajuda" e até sentimento de vingança. A maioria dos hinos hoje são totalmente egocêntricos. Alguns autores atuais querem passar a ideia de que nós não podemos sofrer, perder, chorar, se decepcionar, e isso está bem distante da nossa realidade cristã. Alguns são hinos evangélicos sem o evangelho. Outros são feitos apenas para venderem quantias elevadas de CDs, ou entreter o povo. Quando um autor ou cantor trata os hinos dessa forma, ele faz com que a nossa música dê um enorme passo para trás. Não são raros os hinos que são contrários aos ensinamentos bíblicos. E isso é um perigo enorme.

10 – Como são feitas as escolhas do seu repertório?
Os autores geralmente mandam suas composições para mim em CD (voz e violão) e depois disso eu as ouço sozinho em minha casa. Se eu sentir o toque de Deus enquanto ouço aquele hino, escolho para fazer parte do meu repertório. Eu penso que se Deus me tocou através daquela canção, isso ocorrerá também com quem me ouvir. Tem dado certo.

11 – Do seu repertório, qual o hino preferido?
Amo meus hinos, especialmente “Hoje no altar”. Da autoria do Pr. Armando Filho.

12 – E quais seus cantores preferidos?
Sandi Patty, Larnelle Harris, Grupo Logos, Victorino Silva, Babbie Mason, Armando Filho, The Brooklyn Tabernacle Choir, Nicole C. Mullen, Marco Aurélio, entre outros.

13 – O que o irmão acha dos cantores cobrarem cachês para se apresentarem?
Olha, não sou o dono da verdade e vou expor aqui a minha opinião pessoal sobre o assunto. Todo cantor deve trabalhar com o seu material, afinal, gravamos CDs também para serem vendidos. Quando um cantor vai cantar e previamente envia seu material para ser vendido, isso ajuda tanto a ele quanto a quem o convida. E mesmo assim, acho que se não for possível a venda desse material, ele não deve se negar a ir. Exceto despesas com a viagem, a sua ida não deve estar condicionada a vendas ou cachês. Agindo dessa forma, esse cantor estará agradando ao Senhor e Ele com certeza o abençoará com Seu cuidado especial. Também não sou contra quem recebe ou oferece cachê. Discordo dos exploradores que só vão se forem pagos e muito bem pagos. Discordo de qualquer cantor que cobre um valor exorbitante para cantar em qualquer situação. Aos que assim procedem, penso que já estão recebendo seus galardões aqui na terra.

14 – Já esteve em outros países?
Sim. Bolívia, Argentina e Paraguay.

15 – Quais seus projetos para o futuro?
Estou em estúdio gravando o sétimo CD da minha carreira, que será lançado ainda este ano de 2015, se assim Deus quiser. Além disso, tenho vontade de gravar um outro CD com hinos da harpa, dando continuidade a esse projeto que começou em 2006 com o CD “Eternas Canções – Harpa Cristã”.

16 – Conte-nos alguma curiosidade da sua carreira
Lembro de duas situações diferentes: Quando terminamos de gravar todo o instrumental e back vocal do cd “Valeu a pena” no ano de 2004, fui colocar voz definitiva no CD e percebi que estava com algum problema vocal, pois estava sentindo muita dificuldade em cantar as canções. Decidi junto com o produtor musical, que deveríamos suspender a colocação da voz, procurar orientação médica e só depois disso retornar. Isso me deixou muito apreensivo, mas o Senhor abençoou. O tratamento deu certo para aquele momento e tudo acabou bem, graças a Deus. A outra situação aconteceu na gravação do cd “É Só Vitória” em 1997. Os metais de uma das músicas foram gravados e após a gravação, quando os produtores foram conferir, perceberam que o tom dos metais estava diferente da base. Como já era tarde da noite daquele dia, resolveram deixar para fazer o conserto na próxima sessão. Fomos para casa e quando voltamos outro dia com a equipe de metais para refazerem a música, os produtores perceberam que o problema havia desaparecido completamente. E enquanto eles ficavam se perguntando o que havia acontecido e porque aquele problema tinha sido solucionado misteriosamente sem que nada fizéssemos, um dos músicos pediu a palavra e falou: “gente, não cremos em milagres? Acabou de acontecer um aqui!”. Glória a Deus.

17 - Houve algum momento difícil em sua carreira que queira compartilhar conosco?
Um dos momentos mais difíceis que consigo lembrar foi quando fiquei por muito tempo quase impossibilitado de cantar, com problemas na voz. Essa situação se estendeu por anos e isso me deixava muito triste e confuso. Se eu havia nascido para louvar a Deus, como Ele havia permitido que aquilo estivesse acontecendo comigo? Mas esse foi um período de maior crescimento na minha vida espiritual, pois me deixava cada vez mais dependente dEle. Procurei algumas vezes ajuda médica mas tudo que faziam era paliativo e temporário. Eu continuava sentindo muita dificuldade em cantar. Normalmente, antes de cantar, aqueço a voz durante uns 20 minutos, mas nesse período era preciso aquecer por mais de uma hora cada vez que precisasse louvar e nem assim minha voz soava na sua potência normal. Isso era muito desgastante. Eu orava, chorava e pedia muito a cura ao Senhor. Nesse período, um dos hinos do meu repertório que mais cantei, por me identificar totalmente com a letra foi "Sobre as ondas" da autoria do Pr. Armando Filho que diz: "Deus, embora sem compreender o porquê de certas coisas que me acontecem, eu sei que És poderoso pra fazer o que Queres deste meu viver...Tu És soberano. Um simples toque de Tua mão poderá me refazer e cantará meu coração, Senhor! Expressão do meu viver". E Ele tocou. Um certo dia fui cantar em um círculo de oração e na oração final daquele evento, Deus usou uma das irmãs me falando: "hoje estou te dando cordas novas". A partir daquele dia fiquei completamente curado para glória do Senhor. Mais uma vez Ele me mostrou que durante todo aquele período esteve cumprindo o que  prometeu, ou seja, esteve comigo durante todo o tempo.

18 - Conte-nos algo engraçado na sua carreira musical.
Certa vez estava cantando num culto ao ar livre e chovia muito. Eu cantando e a chuva caindo torrencialmente. De repente, encostei o microfone na boca e levei o maior choque da minha vida. Foi tão forte que toda a iluminação do evento foi desligada. Obviamente, eu acabara de ter um grande livramento, pois apesar da violência desse choque elétrico, não sofri dano algum.

19 - Como conheceu sua esposa?
Fui convidado para cantar na sua igreja e durante o culto, não pude deixar de perceber uma linda jovem sentada no último banco. Acho que nesse momento percebei que havia encontrado a mulher da minha vida. Após o culto, estava na frente da igreja assinando alguns CDs quando ela veio até onde eu estava. Rapidamente travei conversa com ela e pedi o número do seu telefone. A partir daquele dia começamos a conversar e o resultado desse primeiro encontro é que estamos casados há quase 9 anos e já temos uma linda menina de 2 anos chamada Beatriz. Hoje percebo que foi Deus quem fez que nos conhecêssemos naquela noite, pois ela tem sido uma esposa maravilhosa e uma auxiliar ministerial de primeira qualidade. Bom é esperar no Senhor.

20 - Você tem muitos amigos?
Não! Tenho muito poucos mas esses são verdadeiros presentes de Deus. Não são amigos do cantor e sim da minha pessoa. Me amam como ser humano, com todos os meus defeitos. E olha que são muitos (risos).

21 - Fale sobre seus familiares.
O meu pai já está com o Senhor desde o ano 2000. Lembro sempre dele como um homem íntegro e amável. Era Presbítero da nossa igreja e meu maior incentivador, como sempre falo. Minha mãe, uma incansável mulher de oração está hoje com 82 anos de idade, lúcida e com saúde. Tenho 10 irmãos (eu sou o último). O Senhor levou um dos meus irmãos quando ele tinha 27 anos. Tenho muitos sobrinhos e alguns deles ajudam o meu ministério há anos. São parceiros maravilhosos.

22 – Que conselho você daria aos cantores iniciantes?
Orem e busquem agradar a Deus. Se não conseguirem isso não vai valer a pena. Somos falhos e imperfeitos, por isso antes de levarmos nosso louvor ao Senhor, temos que falar com Ele em casa, em oração, antes de sairmos. Cuidado na escolha do seu repertório. Nem tudo que está na moda agrada a Deus. Nem todo "sucesso" é proporcionado pelo Senhor e nem todo "fracasso" foi o inimigo quem proporcionou.

23 – Uma frase
Deus proverá!

24 – Sua saudação final
“Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nEle e Ele o fará.” Salmos 37:5.

“Louvai ao Senhor, porque é bom cantar louvores ao nosso Deus, porque é agradável; decoroso é o louvor.” Salmos 147:1.

Gravadora Space Music

5 comentários:

  1. AMADO IRMÃO SOU APAIXONADDA POR SEU TRABALHO POR SUA VOZ,AMO QUANDO VC DÁ AQUELES AGUDOS RASGADOS E SEU ESTILO INCONFUNDÍVEL. QUERO DIZER-LHE NÃO POR CRÍTICA MAS ALGUMAS CANÇÕES OS ARRANJOS CHEGAM A PARECER REPETIVOS POIS CONSIGO ASSOCIALAS A OUTRAS GRAVAÇÕES ISTO EU JÁ TINHA PERCEBIDO ACHEI QUE ERA UMA QUESTÃO DE ESTILO, MAS OUTROS AMIGOS MUSICISTAS PESAM O MESMO; APESAR DE ACHO Q VC TEM INOVADO APÓS ESSE NOVO TRABALHO.MESMO ASSIM NÃO DEIXO ACOPANHAR SEU TRABALHO Q EU TANTO GOSTO E SEI Q É PRA DEUS, POIS ENQUANTOS OUTROS PREGAM APENAS PROSPERIDADE E AUTO AJUDA VC DÁ GLORIA Q É DEVIDA AO SENHOR! PARABÉS POR ISSO! à PAZ!

    ResponderExcluir
  2. Paz do Senhor, Sara! Obrigado pelas suas palavras tão amáveis. Quanto a sua crítica, vou repassá-la aos meus arranjadores. Grande abraço e que Deus continue lhe abençoando.

    ResponderExcluir
  3. Estou precisando de algumas cifras de alguns do seu CD, mas não consigo. Sei tocar um pouco de violão, aliás muito ruim, mesmo. Tentei aprender para louvar ao Senhor na minha simplicidades, em casa, entre os irmãos nas casas, tenho quebrado alguns galhos (rs). onde encontro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Eugenio!
      Você já deu uma olhada nas cifras que estão disponíveis aqui no blog? Abraço (Abi - assessoria).

      Excluir
  4. A paz do senhor amado de DEUS, gosto muito dos seus louvores, mesmo sem saber vc faz parte da minha história. Quando aceitei ao senhor participei do ENOC na central no Alecrim e estes dias foram marcantes em minha vida, vc estava lá e eu chorei muito, quando vc abria a boca eu estremecia com a presença do Espírito Santo ainda estava conhecendo o caminho mas ali descobrir que jamais abandonaria o nosso tão grande senhor. Deus te abençoe agora e para sempre,amém.

    ResponderExcluir